Transbordei

Transbordei
Transbordei pelos olhos
Pela pele e pelos
Inundei a taça
Mergulhei em minha inundação
Me derramei inteira naquela água santa
Pulei de ponta, nadei de costas
Fiquei mínima, minúscula, diluída
Quase inexistente
Fiquei virtuosa, casta
E passei a bordar guardanapos de seda
Para limpar as bordas e as curvas da taça
(Santo graal)
De minha nova existência

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: