O Rei Salomão e suas mil mulheres

Me desculpem pela foto, mas ela ilustra e representa bem o exemplo que eu gostaria de discorrer aqui.
O Rei, filho de outro histórico rei de Israel, Davi, sempre foi exemplo pra muitos de sabedoria, que, através dela, conquistou um grande legado para seu povo, e imortalizou seu nome como o mais sábio e rico de toda história da nação que descendeu de Abraão.
Mas, será que realmente sua vida é um exemplo?
Segundo conta a história, Salomão teve aproximadamente mil mulheres, não apenas de seu povo, como de diversos povos circunvizinhos, inclusive filhas de povos pagãos que adoravam deuses estranhos aos olhos de Deus.
Salomão, de posse de tudo que a vida lhe ofereceu, externou um dos pecados capitais, a luxúria. Apenas pra se comparar, se fosse nos dias de hoje, ele teria se casado com 700 mulheres (no cartório), e ainda possuía 300 concubinas (que seriam garotas de programa de uso exclusivo do rei, ou seja, uma zona só pra ele).
Mas, e nos dias de hoje? Será que todos não seguem o mesmo exemplo do rei? Existe uma classificação de sete pecados capitais, elencados como contrários às leis divinas. A gula, avareza, luxúria, ira, inveja preguiça e a soberba.
Embora o rei não estivesse acima da lei, ele se utilizou da sua condição pra fazer suas suas próprias leis.
O que podemos tirar de lição com isso? Até os grandes homens da Bíblia, que foram usados por Deus pra conduzir seu povo erraram, e erraram feio, levando até à morte milhares de pessoas, consequências de seus erros. Ainda que muitos líderes cristãos sejam usados por Deus, eles nunca devem ser seguidos pelos seus exemplos, que muitos se mostram reprováveis. Quando São Paulo disse: Sede meus seguidores, assim como sou de Cristo, ele tinha plena certeza da sua condição de irrepreensível.
Será que hoje encontramos líderes que dizem “Façam o que digo, e façam o que eu faço”?

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: